Os peixes sentem dor

 

Embora pareça óbvio que os peixes sintam dor, como qualquer outro animal, algumas pessoas ainda pensam que os peixes são como vegetais que nadam. Em verdade, no que concerne a habilidade de sentir dor, os peixes são iguais aos cachorros, gatos e outros animais. O Dr. Donald Broom, consultor científico do Governo Inglês, explica que ” A literatura científica é muito clara. Anatômica, fisiológica e biologicamente, o sistema de dor dos peixes é praticamente o mesmo que o das aves e dos outros animais.” 1

 Os neurobiologistas já reconheceram, faz tempo, que os peixes possuem sistema nervoso que sentem e respondem à dor, e qualquer um que haja estudado Biologia sabe que os peixes têm nervos e cérebro que sentem a dor, como qualquer outro animal.2 Em verdade, os cientistas nos dizem que os cérebros e sistema nervoso dos peixes se parecem com o nosso.3 Por exemplo, os peixes (como os “vertebrados superiores”) possuem neurotransmissores como as endorfinas que dão alivio ao sofrimento — naturalmente que a única razão de os seus sistemas nervosos produzirem analgésicos é para aliviar a dor.4

Afirmar que os peixes não sentem dor é comparável à argumentação intelectual e científica de que a Terra é plana.

Interessante é verificar que alguns cientistas construíram um detalhado mapeamento dos receptores de dor na boca e por todo o corpo dos peixes. Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Guelph, no Canadá, monitoraram recentemente a literatur científica sobre a dor e a inteligência dos peixes. Concluíram eles que os peixes sentem dor e que “há de se considerar o bem-estar desses\nanimais”5 A Dra. Lynne\nSneddon, cientista que estuda a biologia dos peixes no Reino Unido, explica:\n”Trata-se, realmente, de uma questão moral. Sua pesca com anzol é mais importante que a dor que o peixe sente?”6

 Cientistas da Universidade de Edinburgh e do Roslin Institute, ambos no Reino Unido, relatam que ao reagirem à dor, os peixes sentem também um estresse emocional e apresentam um “movimento de contorção” muitíssimo similar ao tipo de movimento que apresentam animais vertebrados superiores, como os mamíferos.”7 A equipe de pesquisadores concluiu que os peixes, sem dúvida alguma, sentem dor da mesma forma que a sentem os mamíferos, tanto física como psicologicamente.8

Como seria de esperar, de animais que, sabemos hoje, são inteligentes e apresentam indivíduos interessantes com memória e a capacidade de aprender, os peixes podem também sofrer devido ao medo e à antecipação da dor física. Pesquisadores de várias universidades dos Estados Unidos publicaram resultados de pesquisas que mostram o fato de alguns peixes usarem o som para comunicar a sua agonia, quando redes são lançadas em seus aquários ou quando são eles ameaçados de alguma maneira.9 Num estudo individual, o pesquisador William Tavolga descobriu que peixes grunhiam ao receberem um choque elétrico. Mais que isso, os peixes começavam a grunhir, tão logo avistavam o eletrodo, numa inequívoca antecipação do tormento que Tavolga lhes Interessante é verificar que alguns cientistas construíram um detalhado mapeamento dos receptores de dor na boca e por todo o corpo dos peixes. Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Guelph, no Canadá, monitoraram recentemente a literatura científica sobre a dor e a inteligência dos peixes. Concluíram eles que os peixes sentem dor e que “há de se considerar o bem-estar desses animais”5 A Dra. Lynne Sneddon, cientista que estuda a biologia dos peixes no Reino Unido, explica: “Trata-se, realmente, de uma questão moral. Sua pesca com anzol é mais importante que a dor que o peixe sente?”6 Segundo oDr. Michael Fox, D.V.M., Ph. D., “Embora os peixes não gritem(de forma audível para os humanos) quando estão com dor e em angústia, o comportamento deles deveria constituir evidência suficiente do seu sofrimento quando fisgados ou capturados em rede. Eles se esforçam, procurando escapar e, assim fazendo, demonstram a sua vontade de viver.”11

 

Cientistas da Universidade de Edinburgh e do Roslin Institute, ambos no Reino Unido, relatam que ao reagirem à dor, os peixes sentem também um estresse emocional e apresentam um “movimento de contorção” muitíssimo similar ao tipo de movimento que apresentam animais vertebrados superiores, como os mamíferos.”7 A equipe de pesquisadores concluiu que os peixes, sem dúvida alguma, sentem dor da mesma forma que a sentem os mamíferos, tanto física como psicologicamente.8

Como seria de esperar, de animais que, sabemos hoje, são inteligentes e apresentam indivíduos interessantes com memória e a capacidade de aprender, os peixes podem também sofrer devido ao medo e à antecipação da dor física. Pesquisadores de várias universidades dos Estados Unidos publicaram resultados de pesquisas que mostram o fato de alguns peixes usarem o som para comunicar a sua agonia, quando redes são lançadas em seus aquários ou quando são eles ameaçados de alguma maneira.9 Num estudo individual, o pesquisador William Tavolga descobriu que peixes grunhiam ao receberem um choque elétrico. Mais que isso, os peixes começavam a grunhir, tão logo avistavam o eletrodo, numa inequívoca antecipação do tormento que Tavolga lhes impingia. 

O que acontece com o peixe antes que chegue ao seu prato não passa de crueldade aos animais ¾ criados em “fazendas” marinhas ou pescados no mar, os peixes são tratados de maneiras que resultariam em punições a crime hediondo, fossem outros animais tão horrivelmente maltratados.

 __________________________________________________________________ 2 L.S. Chervova, “Behavioral Reactions of Fishes to Pain\nStimuli”, J. Ichthyol, 1997 10Segundo o Dr. Michael Fox, D.V.M., Ph. D., “Embora os peixes não gritem(de forma audível para os humanos) quando estão com dor e em angústia, o comportamento deles deveria constituir evidência suficiente do seu sofrimento quando fisgados ou capturados em rede. Eles se esforçam, procurando escapar e, assim fazendo, demonstram a sua vontade de viver.”11

http://images.nature.ru/nature/2003/10/02/0001195504/english.html

O que acontece com o peixe antes que chegue ao seu prato não passa de crueldade aos animais ¾ criados em “fazendas” marinhas ou pescados no mar, os peixes são tratados de maneiras que resultariam em punições a crime hediondo, fossem outros animais tão horrivelmente maltratados. 

  __________________________________________________________________ 

3 L.S. Chervova.

  4 K.P. Chandroo, I.J.H.Duncan and R. D. Moccia, “Can Fish\nSuffer?: Perspectives on Sentience, Pain, Fear and Stress,” Applied Animal\nBehavior Science, 2004, p. 11 

www.\naps.uoguelph.ca/~aquacentre/aec/publications/fishwelfare.pdf

5 K.P. Chandroo, p.15

6 Jennifer Smith, “Debate: Do Fish Feel Pain?” Newsday, 21\nAug. 2003

http://www.thehollandsentinel.net/stories/082103/out 082103045.shtml

7 Alan Cowell, “Cruelty to Fish? Anglers in Britain Are\nLeft Smarting”, International Herald Tribune, 7 May 2003.

8 Dr.Lynne U. Sneddon, Dr. Victoria A. Braithwaite, and Dr.\nMichael J. Gentle, “Do Fish Have Nociceptors: Evidence for the Evolution of\na Vertebrate Sensory Systeme,” The Royal Society Scientific Academy, 7 June\n2003

http://images.nature.ru/nature/2003/10/02/0001195504/english.html 

 

3 L.S. Chervova.

4 K.P. Chandroo, I.J.H.Duncan and R. D. Moccia, “Can Fish Suffer?: Perspectives on Sentience, Pain, Fear and Stress,” Applied Animal Behavior Science, 2004, p. 11

www. aps.uoguelph.ca/~aquacentre/aec/publications/fishwelfare.pdf

5 K.P. Chandroo, p.15

6 Jennifer Smith, “Debate: Do Fish Feel Pain?” Newsday, 21 Aug. 2003

www.thehollandsentinel.net/stories/082103/out 082103045.shtml

7 Alan Cowell, “Cruelty to Fish? Anglers in Britain Are Left Smarting”, International Herald Tribune, 7 May 2003.

8 Dr.Lynne U. Sneddon, Dr. Victoria A. Braithwaite, and Dr. Michael J. Gentle, “Do Fish Have Nociceptors: Evidence for the Evolution of a Vertebrate Sensory Systeme,” The Royal Society Scientific Academy, 7 June 2003

www.pubs.royalsoc.ac.uk/proc bio\ncontent/news/sneddon.html

9 Martin A. Connaughton, Michael L. Lunn, Michael L. Fine\nand Malcolm H. Tayor, “Characterization of Sounds and Their Use in Two\nSciaenid Species: Weakfish and Atlantic Croaker,” http://web.mit.edu/seagrant/aqua/cfer/acoustics/exsum/connaughton/extended.html.

10 – Vantressa Brown, “Fish Feel Pain, British Researchers\nSay”, Agence France-Presse, 1 May 2003 http://www.buzzle.com/editorials/4-30-2003-39769.asp

11 – Michael Fox, D.V.M., Ph. D., “Do Fish Have Feelings?”\nThe Animals’ Agenda, July/Aug. 1987,pp.24-29

Enigma não\nhá que resista ao conhecimento verdadeiro!
Enigmo ne povas kontraustari\nveran scion!
There is no enigma when true knowledge comes!

www.pubs.royalsoc.ac.uk/proc bio content/news/sneddon.html

9 Martin A. Connaughton, Michael L. Lunn, Michael L. Fine and Malcolm H. Tayor, “Characterization of Sounds and Their Use in Two Sciaenid Species: Weakfish and Atlantic Croaker,” http://web.mit.edu/seagrant/aqua/cfer/acoustics/exsum/connaughton/extended.html.

10 – Vantressa Brown, “Fish Feel Pain, British Researchers Say”, Agence France-Presse, 1 May 2003 www.buzzle.com/editorials/4-30-2003-39769.asp

11 – Michael Fox, D.V.M., Ph. D., “Do Fish Have Feelings?” The Animals’ Agenda, July/Aug. 1987,pp.24-29

______

Texto traduzido por Mário Fonseca Paradizo

e-mail :mfonseca50@uol.com.br

About Alex Avancini

Alex Avancini é anti-especista e incentivador da ação pelos direitos dos animais não humanos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: