Carne feliz e sexismo

 

 http://wp.me/pyS0F-gE – Carne feliz e sexismo, argumentos de Gary L. Francione.

.

Carne feliz e sexismo
Por Gary L. Francione
Ter, 24 de Fevereiro de 2009 15:28
 © 2009 Gary L. Francione
gfrancione@kinoy.rutgers.edu //  © Tradução autorizada: Regina Rheda
// regina.rheda@yahoo.com.br

Publicado em http://www.anima.org.ar/libertacao/abordagens/francione.html

Esta manhã fiquei sabendo de duas coisas que realmente dizem muito sobre o infeliz estado em que se encontra o chamado “movimento de proteção animal”.

A primeira foi um artigo do Times of London. A autora, Tessa Williams, proclama que, depois de ter sido vegetariana durante 25 anos, está comendo carne de novo. Ela ressalta que não é “a única ferrenha vegetariana a ter abandonado toda uma vida de devoção a grãos e tofu, no ano passado. A Food Standards Agency da Grã-Bretanha declara que o número de pessoas com uma dieta parcial ou completamente vegetariana caiu de 9% em 2007 para 7% em 2008”.

A razão para Williams voltar a comer carne:

Encaro minha decisão de voltar a comer carne como parte de uma mudança mais ampla na cultura alimentar na Grã-Bretanha. Nós nos afastamos da velha abordagem “carne é assassinato” e, agora, a carne proveniente de uma boa fonte é vista como saudável e natural.
Fomos influenciados por Jamie, Hugh e Gordon. Parece que eles amam os animais e ainda assim não têm problema algum em matar espécimes que foram bem criados e pô-los numa torta.
Os últimos avanços na colocação de selos nas embalagens dos alimentos também tornaram mais fácil entender de onde vem nossa carne e como o animal é criado. O selo Soil Association significa que os animais foram criados sob estritos critérios orgânicos do bem-estar. Os ex-vegetarianos com sentimento de culpa também são tranquilizados pelos selos Freedom Food, que garantem que os animais foram mantidos em condições aprovadas pela RSPCA.
O fato de mudar para o campo também transformou meu ponto de vista. Eu agora moro perto de um açougueiro de cidade pequena, que cria muitos dos animais que depois vende como carne. Da janela de meu escritório posso ver seus porcos felizes, fuçando no terreno. E passo perto de suas vacas e ovelhas todos os dias. A jornada desses animais até a vitrine do açougue, via matadouro, é mais curta do que a minha ida até a escola.

O artigo termina com uma seção fornecendo instruções passo a passo quanto a “como se tornar um carnívoro renascido”.

É nisso que está dando o movimento carne/produtos animais felizes. E certamente não apenas na Grã-Bretanha. Nos Estados Unidos, as organizações de proteção animal promovem iniciativas como a Proposição 2 da Califórnia, que não vão fazer nada para ajudar os animais mas vão assegurar aos humanos, falsamente, que os animais estão recebendo uma proteção “humanitária” significativamente melhor.

A premissa subjacente ao moderno movimento de “proteção animal” é que é aceitável que os humanos usem animais, contanto que os tratem de modo “humanitário”. Pode ser que quem apoia essa posição queira um tratamento melhor do que queriam os bem-estaristas dos anos 1940s ou 1950s, porém o princípio é o mesmo: não é o uso que importa, mas apenas o tratamento. Essa é uma diferença fundamental entre a abordagem abolicionista e a abordagem adotada pelas grandes organizações neobem-estaristas. A postura abolicionista rejeita todo uso de animal e vê a educação vegana criativa e não-violenta como a principal estratégia a se empregar.

A segunda coisa envolve a recusa da NBC a transmitir o anúncio Veggie Love, da PETA, durante a final do campeonato de futebol americano deste ano, porque o anúncio, que apresenta modelos em vários estágios de seminudez acariciando a si mesmas e fazendo outras coisas com vegetais de maneira sugestiva, e que afirma que “vegetarianos têm mais prazer no sexo”, é explícito demais, sexualmente.

Não está claro, para mim, por que a PETA e aqueles que acham que esse tipo de coisa é aceitável não reconhecem que o sexismo está estreitamente ligado ao especismo. Enquanto continuarmos a tratar as mulheres como objetos ou mercadorias, continuaremos tratando os animais não-humanos como objetos ou mercadorias. O sexismo não é apenas inerentemente condenável; é também um meio ineficaz de se tentar aumentar a conscientização sobre os animais não-humanos. A PETA tem feito sua campanha sexista contra peles por quase 20 anos. Será que a campanha teve algum efeito? A indústria de peles está mais forte do que jamais esteve.

Além disso, os anúncios veiculados durante a final do campeonato de futebol americano são caríssimos. Fora os outros problemas suscitados pelo comercial da PETA, como é que alguém pode pensar que se trata de um bom uso de dinheiro? Como é que a PETA pode matar 85% dos animais que recolhe, quando aparentemente tem dinheiro para desperdiçar na produção e veiculação de anúncios de mulheres nuas lambendo abóboras e parecendo se masturbar com vegetais?

Por favor, não me entendam mal. Eu não estou dizendo que os grupos como a PETA, a HSUS e demais corporações bem-estaristas não pensem que estão fazendo a coisa certa. Na verdade, tenho certeza de que pensam que estão. No meu modo de ver, eles estão equivocados.

  Gary L. Francione
gfrancione@kinoy.rutgers.edu

Professor de Direito e Filosofia na Rutgers University, EUA. Conhecido internacionalmente por sua teoria de direitos animais abolicionista, é um crítico implacável das leis do bem-estar animal e da condição de propriedade dos não-humanos.

Conheça a teoria abolicionista de Gary Francione assistindo a 4 apresentações em tradução autorizada para o português: 1. Teoria dos direitos animais / 2. Animais como propriedade / 3. Direitos animais vs. bem-estar animal / 4. Direito Animal. Clique aqui.

Aviso: O professor Gary L. Francione não apóia, necessariamente, pontos de vista expressos nesta publicação, fora aqueles que ele defende em textos de sua própria autoria.

Anúncios

About Alex Avancini

Alex Avancini é anti-especista e incentivador da ação pelos direitos dos animais não humanos.

2 comments

  1. lucia moreir

    eu em particular,k deixei de comer carne a muito tempo,sem ao menos perguntar a alguem se estava certa ou errada,apenas deixeipor amor aos animais sempre me colocava no lugar dos animais mortos e achava horrivel então eu ñ tive outra alternativa, e hoge a mis de 30 anos sem carne apenas posso dizer foi a melhor coisa k fiz ñ me arrependo ao contrario divulgo vegetarianismo me sinto com a conciencia limpa e espirito leve e com muito amor no coração,por mim ñ quero minha mão manchada de sangue e a de nimguem por mim,bjsss amo a todos vcs

  2. Pois é eu aqui de novo,,entrei por um acaso nesta página,,,hoje estamos em 2o15,,quero dizer a voces k ñ voltei atras nem um milinézimo,,ao contrario,ja fiz tres tentativa de ser crudivora,mas ñ consegui,,,eu sei pork o k fiz pelos animais,foi por AMOR,unicamente,e por eles meu amor, e intendimento aumentou,,digo mais uma x eu ñ tenho volta ,estou muito bem ,,mas este caminho ñ é mesmo pra qualquer um ñ ,,so por AMOR,e como o AMOR esta esfriando em todo mundo,quem vai sofrer mais serão os animais,,pois a raça humana tem boca pra gritar,,ser humano ñ sabe mais ok é amor,,poucos sabem disto,,o AMOR ñ quer dor pra nimguem e nem sofrimento,,,paz e luz a todos , amo vcs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: